search this blog

O dia que disse Sim para Cristo!

07 outubro 2015


Ela era a caçula de 2 irmãos, criada com muito amor, carinho e atenção de seus familiares. Não foi criada em um lar cristão, ainda bebê foi batizada em uma igreja católica, sua casa tinha um pouco de tudo, estatuetas de Maria e seu filho Jesus, Budas em pratos com moedas, elefantes voltados com a tromba para parede, pratos com vários cristais, livros e revistas sobre Orixás, Simpatias e Horóscopo (sim uma bagunça total). Teve uma infância normal e bem proveitosa.

No inicio da adolescência foi estudar em uma escola maior e se apaixonou pela primeira vez, achou que iria morrer por não ser correspondida, descobriu que príncipe encantado não existe, na verdade ela até gostou, afinal não precisaria ser aquela princesinha boazinha. Aos 12 anos deu o seu primeiro beijo, com 13 começou a fumar cigarros, e aos 14 anos conheceu a “PretaJuana”  ou (cigarro de maconha) eis aí seu novo “parque de diversão”, aos 15 anos parou de ir para escola para ficar fumando maconha com “seus novos amigos”, afastando-se dos seus antigos amigos, por que afinal eles eram tão caretas e criticariam seu relacionamento com “PretaJuana”.No horário que deveria estar estudando, estava “fumando um” e bebendo com seus amigos.

Escolhemos o que plantar, mas não o que vamos colher, com suas mudanças a sua vida em casa já não estava tão fácil, o relacionamento com seus pais iam de mal a pior, a mentira não saía mais de seus lábios, diante das faltas na escola e das assinaturas falsificadas as quais seus pais tinham de assinar e ela frequentemente omitia, assinando em seu lugar. 

Então aos 16 anos começou a frequentar casas noturnas com a identidade de sua irmã, a qual não parecia nada com ela, mas ela tinha uma lábia e assim conseguia convencer os seguranças de que a menina da foto era ela, passava finais de semana na casa de amigas, para que seus pais não regulassem seu horário e por vezes não vissem o estado que chegava em casa depois de uma balada.. E assim começou sua jornada nas noitadas frias ou quentes, chuvosa ou estrelada, não existia “tempo ruim” para saciar seus prazeres, para dançar, para se drogar, para beber até de manhã, para fumar mais um cigarro, tudo isso em busca de algo que a preenchesse, porque quando chegava á noite e ela se deitava sozinha em sua cama, longe das luzes da boate, das mesas dos bares, longe do cigarro da maconha e dos namoradinhos, sentia aquele vazio que por anos a acompanhava, como se alguma coisa tivesse sido tirado de dentro dela, buscava por algo que preenchesse aquela falta de sentido da vida, aquela falta de paz, aquela solidão que por vezes parecia engoli-la.
E assim passou sua adolescência...

Aos 18 começou um novo vício: homens; Namorados, ficantes, amantes, amizades coloridas, sempre tinha que ter um namorado, ou alguém para amenizar aquele vazio, tinha que ter com o que se ocupar, e assim namorou por namorar, ficou por ficar, beijou por beijar tudo isso para não ficar sozinha. Por um momento eles serviam como uma diversão ou um tipo de passa tempo, para não pensar naquele tal sentido da vida. E mesmo com esses "passa tempo" tinha momentos em que o coração doía, que a mente não estava em paz, era como se algo maior a esperasse, como se Alguém a chamasse, seu coração então apertava, e era preciso algo novo para se ocupar, então partia para outro relacionamento, para algo novo que a fizesse esquecer aquele aperto do peito, era necessário uma nova diversão para que Aquela voz silenciasse novamente.

Aos 21 já tivera inúmeros relacionamentos, desses relacionamentos alguns mereciam certa atenção e estes duraram alguns anos, namorados que a amou, que cuidava e que se importavam com ela, porém ela estava sempre insatisfeita, sempre faltava algo, e nenhum cara era suficientemente bom, e assim foi infiel a todos os namorados.

Mas um dia, essa jovem conheceu uma menina que lhe falou que na vida de cada pessoa existia um vazio, um espaço na alma de cada homem, de cada mulher, que só podia ser preenchido pelo Criador. Essa jovem já tinha ouvido falar desse Criador, era O pai dAquele tal de Jesus, o mesmo Jesus que todos falavam que há muitos anos atrás por amor morreu pela humanidade, achava lindo essa história, porém isso não era para ela não, esse negócio de ser crente é coisa de careta, crentes só sabiam dizer que ela não podia beber, não podia se vestir da forma sensual da qual se vestia, não podia mais fumar seu cigarro, não podia, não podia e não podia, quando falavam de crente a palavra que vinha na sua mente era: NÃO PODE!

Mas a amiga não desistiu, falava todo dia que esse tal de Jesus preenche o vazio do coração do homem. E ela convidava a jovem para ir á igreja, mas essa negava o convite sempre com uma desculpa, até que um dia pelo cansaço ela cedeu, e foi na igreja, e lá sentiu algo diferente, como uma brisa suave, como uma paz em meio a tempestade, uma tranquilidade que nunca havia sentido antes, uma amor que ela não compreendia, como se o dia seguinte não importasse mais e aquela PAZ fosse a única coisa que ela realmente precisava. Foi bom e ela até gostou, mas sua vida no mundo era mais empolgante, não podia abrir mão de fazer o que ela gostava para seguir Alguém que ela não via e não conhecia.
E assim ela tentou calar mais uma vez Aquela voz que a chamava, e por mais algum tempo continuou a sua vida indo a boates, bebendo, fumando e se divertindo.... 
Mas algo começou a mudar... (a PALAVRA de Deus nunca volta vazia, antes de cumprir o seu propósito)

Porém quando ela pisava dentro de uma boate, algo acontecia dentro dela e ela começava a se sentir mal, com náuseas e falta de ar, porém quando saía do local seu mal estar passava, por esse motivo várias vezes foi obrigada a voltar mais cedo para casa. Até que um dia em uma boate, na apresentação de um de seus grupos musicais preferidos ela começou a olhar ao seu redor, e viu  mulheres e homens dançando, bebendo, fumando, se drogando, coisas que ela já estava acostumada a ver, porém ela olhou novamente e em questão de segundos foi como se ela realmente enxergasse pela primeira vez, e ao invés daquela repetida cena ela começou a ver que estes homens e mulheres aparentavam máscaras, cada um com a sua máscara, uns usavam máscaras de satisfação, máscaras de alegria, de euforia, de contentamento, de prazer. Porém ela conseguiu ver por detrás das mascaras e se surpreendeu ao ver que além das máscaras existiam homens e mulheres feridos, homens e mulheres sem esperanças, homens e mulheres que assim como aquela jovem ansiavam por algo maior, por algo que preenchesse o vazio de suas almas, pessoas sem expectativa de vida onde tanto faz o rumo que a vida tomasse, pessoas doente na alma e no corpo, e que refugiavam-se nestes locais de fantasia, por trás de máscaras, como se isso fosse resolver seus problemas, mulheres e homens onde tudo o que importava era em mais um dia satisfazer seus desejos carnais. Pessoas que precisavam de ajuda, e que sem saber a quem recorrer se escondiam por atrás de máscaras de uma vida perfeita de um sábado á noite, a visão que aquela jovem tinha daquele mundo tão familiar mudou naquele exato momento. E naquela noite bem ali no meio de uma boate algo mudou dentro dela, algo aconteceu, não foi no exterior, mas dentro dela sentiu uma necessidade de mudar seus caminhos, seu estilo de vida, ela sabia que essa mudança não seria fácil, que o caminho seria doloroso, mas sabia que no fim essa mudança preencheria aquele teimoso vazio que a perseguia a tanto tempo, sabia que aquela mudança lhe mostraria não somente o sentido da vida, mais que ela viveria com sentido.

Certa vez a amiga disse o que ela deveria fazer caso quisesse preencher aquele vazio na alma, e assim a jovem fez entregou o governo de sua vida nas mãos dAquele que preenche o coração e a alma, entregou para Deus tudo o que tinha, pediu sua ajuda para deixar os vícios e para seguir o verdadeiro caminho. E assim Ele fez, a tirou do lamaçal do pecado, lavou a jovem com o Seu sangue limpando de todo o pecado que ela havia cometido, lhe deu novas vestes, uma nova vida, preencheu aquele vazio que tanto sentia na alma lhe dando um motivo e uma razão para viver!

Ela seguiu buscando a ajuda do Espirito Santo para vencer suas guerras diárias internas, onde era preciso negar todos os dias as suas próprias vontades, seus desejos, suas carências, ela escolheu fazer a vontade dAquele que agora a preenchia e a completava, e assim desfrutava diariamente aquela paz tão sonhada, paz que conheceu quando entregou sua vida a Cristo!

E onde antes abundava o pecado, superabundou a graça.
E onde antes reinava a prostituição, hoje reina a busca da santidade.  
E onde antes reinava as drogas, bebida e cigarro, para trazer alegria, hoje reina a alegria da salvação.

E aquela jovem que outrora não conseguia ficar sozinha sem estar enrolada em um relacionamento, hoje aprendeu que para ser feliz com alguém é preciso primeiro ser feliz sozinha, que estar acompanhada com alguém não afasta o vazio e a solidão, aprendeu que bonito não é sinônimo de vulgar, que a verdadeira beleza vem de dentro se consiste no caráter, na essência e não na aparência, que ao se vestir sensualmente atrai sim a atenção, mas como uma mercadoria, essa jovem aprendeu o valor de se guardar em santidade e de se valorizar como mulher.

Ela enfim ouviu a voz do seu Criador que constantemente a chamava para uma obra e para um propósito. E o Criador mudou não somente a história daquela jovem, mais restaurou o seu relacionamento com seus pais, através de sua vida seus pais conheceram a Jesus e o confessaram como Senhor e Salvador de suas vidas, Ele colocou em ordem, aquela velha desordem familiar.

E hoje ela continua seguindo a Cristo, prosseguindo para o alvo, matando dia a dia sua carne, negando a si mesmo e as suas vontades para fazer a vontade do Pai, seguindo o caminho rumo ao propósito para qual o Senhor a criou.

Essa jovem foi achada por Cristo. E assim como Deus fez na vida dela, Ele pode fazer na sua também, não existe caso perdido, não existe vaso quebrado e irrecuperável que não possa ser feito novamente, mas para isso é preciso retornar a casa do Oleiro. Deixe ser moldado por Jesus, responda ao seu chamado, deixe que Ele preencha cada espaço vazio de sua alma.

Esse foi o dia que eu disse Sim para Cristo.

Conte como foi que você disse sim para Cristo, envia nos um email; julysilva_20@hotmail.com


Já estou crucificado com Cristo, e vivo não mais eu; mais Cristo vive em mim, e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé no Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim.          Gálatas 2:20


0 comentários:

Enviar um comentário

featured Slider

Show Sidebar (Default y )

Pinterest Gallery